feminismo

A máquina Pinochet e outros ensaios

R$14,90

A Máquina Pinochet e outros ensaios é um coletânea de textos críticos da escritora chilena Diamela Eltit, uma das grandes vozes do feminismo latino-americano. Durante a ditadura chilena, Eltit foi uma das criadoras do coletivo CADA (Colectivo de Acciones de Arte), responsável por utilizar a cidade como cenário de uma arte engajada e inovadora. Autora de romances importantes como “Lumpérica”, Eltit é também uma ensaísta delicada e poderosa, atenta a situações em que o corpo é o próprio palco da política. Os ensaios reunidos neste livro, traduzidos por Pedro Meira Monteiro, organizados e prefaciados por Meira Monteiro e por seu colega em Princeton, Javier Guerrero, trazem a voz única de Eltit para o público brasileiro, no momento em que é também lançado o seu primeiro romance em português.

Cinema, representação e relações de gênero

R$14,90

Os artigos do livro Cinema, representação e relações de gênero refletem o boom das pesquisas de gênero e sexualidade no campo da Comunicação e especificamente do cinema. O objetivo desta publicação, produzida pelo Grupo de Pesquisa de Cinema da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (INTERCOM), é reunir contribuições de diversos autores para o campo acadêmico de estudos que foram historicamente pouco explorados no Brasil e atualizar a bibliografia referencial a esse respeito. Esse novo olhar não descarta a interseccionalidade, essencial para se pensar os estudos de gênero, ressaltando os aspectos de raça e etnia, sexualidade e classe social que permeiam a discussão sobre essa representação. O livro é o primeiro de uma série que pretende colaborar para a ampliação da discussão de temas do conhecimento científico referentes à cultura cinematográfica que permanecem à margem das pesquisas acadêmicas no Brasil.

Feminismo & príncipes encantados

R$14,90

“No bojo de um verdadeiro renascimento do movimento feminista a partir das mídias sociais, um grupo de “meninas” resolveu reler as histórias das princesas da Disney a partir das questões teóricas levantadas pelo conceito de gênero. “Ninguém nasce princesa, torna-se”, diriam, parafraseando Simone de Beauvoir.

Com seu estudo “Feminismo e príncipes encantados: a representação feminina nos filmes de princesa da Disney”, desenvolvido em 2013, Fernanda Breder foi a pioneira dessa linha de estudos dentro da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Seu trabalho repercutiu e inspirou outras pesquisas sobre as princesas, abordando novos aspectos, como o novo papel reservado às vilãs e a representação da mulher oriental nesses desenhos. (…)

Dividido em “princesas clássicas”, “princesas rebeldes” e “princesas contemporâneas”, o trabalho de Fernanda desconstrói a ideia de que este imaginário construído pela Disney seja monolítico. Pelo contrário, mostra que, até por necessidade de alcançar uma audiência cujos valores estão em constante mutação, pode ser contextualizado e historicizado. A dona de casa exemplar Branca de Neve cede lugar à guerreira Valente, que se recusa a casar.”

Trecho do prefácio escrito por Cristiane Costa, Doutora em Comunicação e Cultura pela UFRJ.

O livro inclui ainda um estudo sobre as personagens Elsa e Anna, do filme “Frozen”.