Autor(a)

André Timm

André Tim publicou contos em coletâneas como a Revista Ficções, da editora 7 Letras e em outras publicações do Sesc. Em 2010, recebeu Menção Honrosa no Prêmio SESC de Literatura por seu livro de contos, Insônia (e-galáxia, 2014). É editor do 2 mil toques, blog sobre a rotina de produção de escritores contemporâneos.

Livros do(a) Autor(a)

Camaradinha

R$4,90

“O rosto do seu pai não está em nenhuma fotografia, escreveu. É um nome numa carta, uma fileira de letras erguidas no ar. O rosto da sua mãe está numa única foto dada pelo avô com a sentença, foi o que restou.” Uma tocante narrativa onde a memória e a fotografia investigam a solidão da existência. Formas Breves é um selo digital dedicado ao gênero conto. Seu único princípio é a qualidade. Com traduções diretas e exclusivas de grandes clássicos do conto universal ou com narrativas da nova geração de escritores em língua portuguesa, Formas breves é um ancoradouro desta galáxia chamada conto.

Insônia

R$14,90

Numa cidade apinhada de prédios, Insônia (menção honrosa no Prêmio Sesc de Literatura) proporciona encontros furtivos nas janelas dos apartamentos. E, no relance desses olhares, histórias se constroem e expõem o que há de mais obscuro nas noites em claro. Num prédio em que ninguém dorme, a ausência do sono proporciona concretude aos sonhos mais estranhos. Tal qual a lógica de um edifício, os enredos de Insônia se superpõem numa armação de intrigas que tem como base o cotidiano de pessoas que vivem juntas, mas não se conhecem. E é no sutil encontro que existe em estar vendo e ser visto que essas histórias se cruzam e proporcionam concretude à madrugada de nossos medos.

Modos inacabados de morrer

R$14,90

Finalista Prêmio São Paulo de Literatura 2017.

“Você sabe o que é ter treze anos, e vivenciar as asperezas da escola, e se apaixonar pela primeira vez, e ter um corpo que não lhe pertence completamente, que nem sempre obedece ou acomoda. Por isso, enquanto Santiago, o protagonista de Modos inacabados de morrer, não consegue se habitar de todo, premiado na loteria da vida com a inadequação extra da narcolepsia, nós, os leitores, vamos entrando na intimidade dessa juventude que todos encontramos em nós. Capturados pelo ritmo da narrativa, pelas delicadezas deste romance de formação e também pela escolha do autor, saborosa e ainda um tanto rara, de contar a história na segunda pessoa. Aqui, o livro bebe do Bildungsroman moderno e das narrativas contemporâneas que também elegem esta perspectiva narrativa, dialogando, por exemplo, com um dos melhores contos de David Foster Wallace de uma maneira bem íntima.”– Moema Vilela